Dayse, a filha da promessa


Quando foi lançado a programação que cada colaboradora deveria contar seu testemunho aceitei meio que de imediato , porém ao mesmo tempo ao qual fiquei animada e entusiasmada , bateu em mim uma preocupaçãozinha será que essas meninas ao lerem isso vão acreditar em tudo que eu falar por que mesmo não existindo tantas coisas fantásticas nesse curto período de vida que tenho ainda sim para acreditar nos milagres de Deus não é para qualquer um, é para  quem tem fé e não duvida do trabalhar de DEUS.

Em 1997 meu irmão com a idade de 5 aninhos estava na reunião de jovens e menores e orou assim: "Papai do céu eu queria tanto uma irmãzinha para brincar comigo". E durante o culto o irmão que pregava a palavra falou: "Deus ouviu a sua oração, quando você chegar em casa fala para tua mãe e para o seu pai que alguém novo chegará em breve para brincar com você". E ele assim fez, chegou em casa e falou para minha mãe que a  irmãzinha dele ia chegar em breve. Minha mãe chorou, ficou feliz mas não se firmou muito naquilo porque sabia que não poderia ter filhos,  possuía útero infantil logo era estéril e meu irmão já era um grande milagre. 

Um mês depois  meus pais e meu irmão foram morar em Maceió-AL  e minha mãe por muita insistência de meu pai foi ao médico ver se aquilo que meu irmão falou era verdade, ao chegar lá o médico disse que não tinha nada em seu ventre e que ainda que ela quisesse ela não poderia ter mais nenhuma criança. Três dias depois, durante uma oração com uns irmão de outro estado em nossa casa, um irmão usado pelo Espírito Santo pregou para minha mãe e falou: “dentro do teu ventre tem uma profeta, te alegra que Eu vou confundir a medicina”.

Com três meses depois, minha mãe foi ao médico e voltou com a noticia de que estava grávida de 4 meses e que era uma menina. Quando se completou 7 meses eu nasci, porque sou apressada eu sei kkkkkkkk. Algumas pessoas me dizem que eu quando  era criança era muito crente orava, louvava fazia tudo direitinho e adorava servir a Deus. Vi muitas obras quando criança algumas em minha vida outras em minha família ou em pessoas bem próximas, passei por muitos cálices, mas estamos aqui.

Quando eu estava com 10 anos meu pai aderiu uma doença chamada epsoste ou como outros chamam de cinto de fogo, é uma doença que come uma parte por fora de carne deixando um ferida que vai aumentando e se não for cuidada pode causar a morte além de ser contagiosa, fazia exatamente 12 dias que meu pai estava no hospital e como crianças não podia entrar para visita por ser uma doença contagiosa, eu só via meu pai pela janela quando ele acenava para mim e naquele dia aquilo doeu em mim de ver a pessoa que eu mais amava tão debilitada, quando saímos do hospital falei para minha mãe que queria ir à igreja. Chegando na igreja a minha oração só foi uma: “ Senhor se tu curar o meu pai por completo eu vou te servir melhor nessa terra e Senhor eu não quero mais ver meu pai daquele jeito, faz isso ser breve. Amém!” No outro dia meu pai amanheceu com todas as feridas da doença cicatrizadas, deixando os médicos sem saber o que aconteceu e dando alta ao  meu pai.

Com 11 anos de idade eu meio que perdi um pouco do que era ser crente, achava que podia fazer qualquer coisa só por não ser batizada, já que quando eu batizasse tudo ia ser apagado. Comecei a querer gostar de meninos que não eram da igreja e dei meu primeiro beijo com um desses, também foi o único menino do mundo que fiquei (kkkk). Eu era tão certinha por natureza que quando fazia algo errado eu me afastava daquilo e não queria mais nunca fazer de novo. Tinha sempre aquele medo da mão de Deus.
Chegou meus 12 anos e meu pai adoeceu, passou meses doente até que foi internado e passou 21 dias na UTI e então ele partiu. Foi com certeza a maior perda de toda minha vida. Eu fiquei louca por dentro, parecia que nada importava mais e que a única pessoa que eu me espelhava se foi e não voltaria mais. Passei 3 meses sem querer ir à igreja porque. como meu pai era cooperador (pastor),  aonde eu fosse eu lembraria dele e eu não aguentava sofrer mais. Já bastava todos os dias antes de dormir eu chorar e nas minhas orações eu perguntar por que Deus deixou isso acontecer, o que eu fiz para passar por aquilo, mas Deus não me respondia.

Passou-se 3 meses e apareceu um casal na minha casa que era familiar a mim, sabia que eles eram amigos do meu pai mas não lembrava muito deles e eles começaram a ir todo domingo buscar a mim e ao meu irmão para ir pra uma reunião de jovens e aos poucos fui voltando para a igreja. Deus colocou uma amor entre pai e filha sobre aquelas pessoas e anos se passaram e eles continuaram presentes nas nossas vidas, me tratavam como filha, ligavam sempre para mim, iam me buscar na igreja e às vezes até na escola.

No inicio de 2014,  aquele irmão que era meu pai de coração me ligou e falou: “Daysinha hoje vai ter uns irmãos de outro Estado numa busca de dons na igreja, queria tanto que você fosse. Eu por educação falei: “tá certo, vou sim”, mas após desligar o telefone, falei: “vou nada, faz tanto tempo que Deus não fala comigo e eu toda errada. Ele não vai querer me dá um dom novo muito menos o dom de falar em novas línguas” . Porém meu irmão sentiu alegria de ir,  minha mãe também e eles não queria me deixar sozinha em casa, fui obrigada  a ir kkkkkkk ( graças a Deus ).

Ao chegar no culto, o irmão chamou os que queria ser selados e falar novas línguas e pra você ver meu desinteresse eu nem entrei na igreja fiquei do lado de fora, minha mãe chamando pra ir lá na frente e eu falei: “ SE DEUS QUISESSE ELE ME SELAVA COM NOVAS LÍNGUAS AQUI MESMO EU NÃO PRECISO IR LÁ PRA FRENTE NEM LUGAR ALGUM”. E isso foi um desafio a Deus, acabou o culto nada aconteceu eu entrei na igreja sentei no último banco esperando minha mãe, meu irmão e o meu pai e mãe do coração pra falar com eles. Do nada meu pai do coração me chama: “Dayzinha lá na frente as irmãs estão orando para Deus selar os jovens, vai lá, seu irmão está lá,  minha filha também”. E eu sem querer ir, mas fui chequei lá Deus me cercou e me deu esse dom lindo que é falar em línguas estranhas,  passei uma hora  mais ou menos falando  (kkkkk) pra quem não queria nada, Deus foi lá e fez para mostrar que Ele é único e superior.

Alguns meses depois, era o dia dos pais, mas uma vez meu pai de coração liga e fala: “Daysinha vai ter um batismo no interior do Estado, vamos lá que eu que vou atender hoje” E eu falei: “vamos né, fazer o que?” Tinha passado o dia toda atribulada, brigando com todo mundo , falando besteira nem queria ir pra culto normal imagina batismo, mas fui assim mesmo chequei lá me sentaram lá de um lado minha mãe do coração e minha vó do coração  e no meio do  batismo eu já não aguentava mais prender as lágrimas. Eu queria ir, mas não ia e ficava calada parecendo que nada estava acontecendo. Quando já ia encerar o batismo eu não aguentei sai correndo pra me batizar de salto, parecia que eu estava descalça do tão rápido que foi, não  pensei em nada mais. Duas meninas lindas que amo, me acompanharam na hora de me ajudar a trocar de roupa pra batizar, me ajudaram minha irmã de coração e a Wanessa ( a dona do blog), elas fizeram tudo tão rápido que eu nem senti  nada e então desci as águas e deixei Deus me mudar. Nesse mesmo ano viajei muito com a mocidade da minha igreja, fiz novos amigos que estão comigo até hoje, me santifiquei mais, fique mais feliz e temente a Deus.

Em 2015  me apaixonei por um deles e não deu muito certo, ele me magoou muito e eu me afastei de Deus porque  antes de gostar dele pedia a Deus para que Ele falasse se eu podia ou não gostar e Ele falou que sim e como é que Ele deixou aquela pessoa me magoar? Passei uns 2 meses sem ir pra igreja me afastei de muita gente, fiquei tão triste e o pior não podia dizer a ninguém porque só eu, ele e Deus sabia e fiquei meio que depressiva só queria ficar em casa,não sentia vontade de ir pra lugar algum, queria ficar só em casa e pronto.

Até que um dia veio uma visita na minha casa e Deus tirou todas as minhas dúvidas  e mostrou para mim que eu posso viver sem todo mundo, mas não posso viver sem Ele. Deus sempre será meu único verdadeiro amigo e estará sempre comigo  e que eu não devo trocar nunca Deus pelo mundo e jogar fora todas as minhas promessas e então eu voltei  e hoje com 16 anos próximo já dos 17, percebo que o meu mundo é sim diferente, que é sim difícil ser crente e que tudo é permissão de Deus. São os testes e as provas que servem de aprendizagem e que eu nunca estou nem estarei só, porque Deus sempre está aqui  comigo e isso basta.

Essa é minha história. Se você ainda não é crente e não teve o mesmo privilegio que eu de nascer em um lar evangélico, tudo bem não se preocupe, ainda dá tempo de Deus escrever sua nova história só que agora trilhando o caminho da salvação. Vamos lá, o que você acha ?

..................................................................................................................................................

"Não há santo como o Senhor; porque não há outro fora de ti; e rocha nenhuma há como o nosso Deus."

(I Samuel 2:2)


Fique por dentro das novidades do blog também nas redes sociais:


Fica com Deus!
<3

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Menina Modesta. Todos os direitos reservados.©
Design e codificação por Sofisticado Design.